Alimente os Peixes!!!!

07 maio 2009

Carta de amor

Querida mãe, querido pai, Méri, meus amores,

Eu queria muito estar com vocês nesse fim de semana de maio.

Mas minha carona furou, ou melhor, minha carona não vai pra Cidade Azul nessa semana.

E eu, que vivo da carona alheia, vou ter que ficar por aqui também.

A máquina de lavar quebrou, então a roupa da semana vai ser devidamente liquidada como antigamente: no muque.

A Foxy deu um susto, mas os bebês ainda estão no melhor lugar do mundo: lá dentro, no quentinho. Às vezes eu acho que ela vai estourar. Às vezes acho que eu é que vou. Está rolando a maior ansiedade, você sabe.

Estou indo muito bem na faculdade, com boas notas, bem boas, aliás.

Nossa! Eu amo essa palavra "aliás". É tão sonora, vocês não acham?

Estou trabalhando práka, o Centro Cultural está fervilhando. Essa semana está tendo uma Mostra de Teatro Latino-Americano. Temos hermanos de todos os lugares: Peru, Uruguai, até do México.

Não encontramos nenhum suíno virótico ou lhama perdida por aqui. Um alívio para todos.

Resolvi assumir que a louca na história sou eu. Porque a possibilidade dessa ser a verdade é imensa. Quem é que pode comigo e minhas insanidades ancestrais? Quem mais aguenta todo meu mau humor crônico, PPM, crises de identidade e idade?

Ah, mãe.

Tenho tanta saudade do seu colo. Do seu café. Das delícias culinárias que você anda exibindo, os macramês, as crias de chuchu e tomate ...

Ah, pai.

Tenho tanta saudade do seu trabalho artístico focado, do silêncio dos seus resmungos, do salvador violão nas horas de maior tensão ....

Ah, Méri.

Tenho tanta saudade da sua risada, do cabelo de cogumelo, do seu ar tão sério nos trabalhos, no quanto você é compenetrada e responsável. Ah, Méri. Que saudade dos ataques de Mary Winehouse.

Às vezes eu acho que deve ser muito ridículo uma mulher feito eu ficar de choramingas de menina mimada.

Só que eu não acho nada.

Eu acho totalmente válido enquanto ser humano emocional e emotivo que eu explore todos os meus sentimentos aqui. Ao vivo e em cores. Globalizadamente carente.

E daí?

Esse é meu espaço.

Vocês são minha herança genética.

E, ah, puta que o pariu, eu queria tanto ir pra casa!

Amo vocês. Muito. Pra sempre.

Gi.

P.S. Méri: cachorrinho só quando desmamar. Leva 45 dias e ele nem nasceu. Mas o seu está guardado. É claro.

Hasta la vista.

3 comentários:

Anônimo disse...

Carta lida,será respondida por telefone, bjs

LOIRINHA MA® disse...

Monossilábica!!!!

O Profeta disse...

A maresia adormeceu na areia
O mar transformou-se em espelho de água
Uma nuvem mirou-se nele
Verteu uma última gota de mágoa

Este sol que beija a ilha na manhã
Traz um sorriso cheio de mistério
Este verde orvalhado pela bruma da noite
É o tapete de um Deus no seu império




Bom fim de semana


Doce beijo